Quinta-feira, 26 de Abril de 2007

Um dia depois do 25

E Depois?

 

Depois foi o que se viu,

Muita alegria, abraços, beijos mil,

A tropa de densa grenha

Lança as sementes de Abril.

 

Nas escolas,

Nas cidades, nos campos, em todas as terreolas,

As campanhas militares já não eram belicosas.

Não havia canhões, nem baionetas, nem bastões,

Eram todos soldados, rasos, sem galões,

Irmanados pelos mesmos ideais

Nas Campanhas de Dinamização Cultural

Que empreenderam,

Actos heróicos, novos feitos que nem todos compreenderam.

 

Paz, pão, habitação,

Saúde, educação,

Tudo foi conquistado sem um engulho.

A arca estava cheia, foi só abrir o ferrolho,

Um fartar vilanagem, que era chegada a hora

Da ladroagem.

 

E quando o celeiro exauriu

A providência divina sorriu.

Vem a deusa Europa, rica, eivada de magnanimidade

Distribuir subsídios e apoios com grande generosidade.

A palavra de ordem foi a formação

Grande chuchadeira para quem investiu nessa acção.

Fiquem descansados que há muito para dar.

Para se viver bem nem é preciso trabalhar.

 

E agora? Dizem os nossos governantes.

Agora é apertar as cilhas

Que as vacas gordas já foram engolidas.

Vão trabalhar seus malandros

Que estamos fartos de vos ver por estes meandros

À espera de tachos, benesses e outros escafandros.

 

Por este andar

Não sei onde isto vai parar.

O espírito de Abril está muito denegrido

Já há quem clame por Salazar.

Pobres saudosistas e outros empedernidos

Que não sabem do que estão a falar.
Sinto-me: Um Che Guevara
Música: Grandola, vila morena
Publicado por Eira-Velha às 11:42
Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
|
Quarta-feira, 18 de Abril de 2007

Personagens da Minha Terra – III

O meu tio Paulino

 

Apenas o recordo pelo lado negativo. Sofria de epilepsia mas não sabíamos a designação correcta da doença e todos lhe chamavam “o mal”.

Periodicamente era acometido de ataques brutais que o deixavam completamente transfigurado. Nos intervalos fazia a sua vida normal e colaborava nas lides habituais.

Num dia de Inverno andava a pastorear as vacas no Carrameijal e aproximou-se da fogueira de um carvoeiro para se aquecer e secar a roupa molhada. Foi acometido do “mal” e caiu à cova incandescente sofrendo queimaduras que ditaram a sua morte prematura.

Não foi transportado para uma Unidade de Queimados, nem ao Hospital, nem ao Centro de Saúde. Ficou em casa, durante muitos dias, com as extensas queimaduras a infectar e a pele a apodrecer e a colar-se irresistivelmente às roupas da cama…Quantas dores não teria suportado…

Assim se morria naquele tempo…

 

Publicado por Eira-Velha às 11:01
Link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
|
Segunda-feira, 16 de Abril de 2007

Personagens da Minha Terra - II

O Ti António Freixinho

 

Era um particular amigo de meu Pai e nosso vizinho.

Conheci-o já com idade bastante avançada e recordo especialmente o seu fiel amigo “Jau” que morreu de velhice debaixo do velho loureiro que lhe servia de abrigo.

Possuía um património extenso e valiosíssimo mas não tinha condições físicas para o governar e, por isso, tinha que confiar a exploração dos seus bens a terceiros, contentando-se com as “meias”, que nem sempre o seriam, da produção anual das suas propriedades.

Andava apoiado em duas muletas, devido a uma antiga doença que o deixou entrevado, o que lhe dificultava imenso a locomoção mas, mesmo assim, não se eximia a percorrer alguns quilómetros para ir vigiar a vinha ao Barral, ou participar das esfolhadas, ou verificar como decorriam os trabalhos sazonais em que se procedia às sementeiras e às colheitas.

Alguém o convenceu a adquirir um triciclo para se locomover mas a experiência resultou num tremendo fracasso por várias razões, a mais importante relacionada com a falta de vias de comunicação adequadas. Além disso, precisava sempre da ajuda de várias pessoas para o ajudarem a sentar e a iniciar a marcha, apear e arrumar o veículo que ainda serviu para provocar algum espalhafato e alguns incidentes hilariantes.

Não tinha herdeiros legítimos e, quando a morte o surpreendeu sem estar a contar com isso, os seus bens foram disputados avidamente por parentes afastados, outros meeiros e pela igreja, liderada pelo célebre Padre Bernardo que não desperdiçava qualquer oportunidade para incrementar os bens da fábrica paroquial. A Ti Ana, que lhe sobreviveu por pouco tempo, nada pôde fazer para evitar a pilhagem desenfreada que recaiu sobre os bens do casal e mal assinou o testamento foi juntar-se ao marido.

A sua “biblioteca” detinha um espólio que julgo ser importante, pela cobiça que despertou no Padre que açambarcou tudo, ou quase tudo porque meu Pai foi contemplado com uma pequena enciclopédia - O Mundo na Mão - da qual eu absorvi muitos dos conhecimentos que serviram para orientar a minha vida.

Recebia periodicamente o catálogo das publicações de uma famosa e antiga editora do Porto, o que revela a importância que a cultura representava para ele.

Era rico mas a sua vida foi uma miséria e o final ainda foi mais triste…

Publicado por Eira-Velha às 08:50
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sábado, 14 de Abril de 2007

Lendas de antigamente

Levar os Vellos a Porcarizas

Porcarizas está en Lobeira (Ourense), e dise que antes era costume abandonar alí os vellos. Cando xa non podían traballar levábanos a Porcarizas para que morresen alí.
Un día foi un mozo levar a seu pai e cando chegaron díxolle o pai:
—Anda, fillo, anda; déixame como te han deixar a ti.
Cando o mozo o oíu, colleu outra vez ó pai e volveu con el para a casa.

Era assim que se transmitiam ensinamentos, que se sustentavam os laços, que se mantinha unido o clã, embora nem sempre estas sementes germinassem e produzissem bons frutos, porque o terreno onde se derramavam era estéril. Haverá sempre as "ovelhas ronhosas" para quem os valores éticos e morais não passam de meras fantasias de gente fora do tempo.
Já em postagem anterior me referi a este tema, porque me preocupa e porque está mais actual do que nunca.
A descoberta desta versão, em galego, também me transporta ao tempo em que, sentado em torno da lareira, se passavam longos serões a ouvir esta e outras lendas e ponho-me a pensar como foi pena perder-se muito deste património imaterial.
Não tenho desejo de retornar a esse tempo mas sinto saudade...
... Das pessoas, da simplicidade, da inocência perdida, dos sonhos...
Publicado por Eira-Velha às 14:43
Link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
|
Sexta-feira, 13 de Abril de 2007

Personagens da Minha Terra - I

O João do Carvalho

 

Era muito conhecido na terra e nas redondezas. Foi pedreiro, agricultor, emigrante, mestre de mil e um ofícios.

Também foi Pai de uma imensa prole, apesar de se decidir tardiamente pelo estabelecimento dos laços matrimoniais.

Era um Homem de carácter, norteando sempre os seus actos pelo farol da consciência, segundo a velha máxima “não fazer aos outros o que não quisermos que nos façam a nós”.

Não possuía habilitações académicas mas era detentor de uma cultura vastíssima, adquirida através da experiência e da leitura de tudo que lhe fosse parar à mão.

Fisicamente era um homem mediano, mais para o franzino, seco de carnes mas de uma fibra a condizer com o roble de que adquiriu o nome, embora este não lhe adviesse da árvore mas do sítio onde nasceu e onde viveram os seus pais.

O seu maior orgulho eram as cartas que recebia dos filhos espalhados por diversos continentes e que lia e relia extremamente embevecido.

O meu incontido orgulho transbordava quando alguém das aldeias vizinhas adivinhava nas minhas feições as características físicas do João do Carvalho.

João Manuel Esteves Eira-Velha, o João do Carvalho, era meu Pai.

Publicado por Eira-Velha às 08:41
Link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
|

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Vale do Tua - Uma paisage...

Momentos...

Antes que seja tarde dema...

Cá se vai andando...

Inverno

Fruta da Época

Cidadania

Novas Construções

Fátima - Uma questão de F...

Around the World "Don't W...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2011

Dezembro 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

Laços

blogs SAPO

subscrever feeds