Quinta-feira, 11 de Março de 2004

Reminiscências - Meu Pai

A imagem que guardo de meu pai é a de um homem velho, quebrado e sábio.

Velho porque, nos seus sessenta e tal anos, foi aquela imagem austera, de rosto enrugado, sofrido e seco que captei com os meus pequeninos olhos e assim permaneceu ao longo dos anos.

Quebrado porque foi assim que ficaram as sua pernas desde que lhe caiu em cima um pesado carvalho, num monte distante, donde regressou a casa numa padiola, consolidando as fracturas, sabe-se lá quantas, na enxerga feita de linho tosco e cheia de palha de centeio, deixando-o dependente de duas bengalas para o ainda longo resto da sua longa vida.

Sábio porque era um regalo ouvi-lo falar de tudo, do mundo, da sua vida cheia de acontecimentos que só uma volta profunda aos arquivos da memória ainda descobre: das viagens migratórias, a pé, para o Douro; da travessia do Marão, antro de ladrões onde o perigo espreitava a cada curva do caminho; do dia de regresso a casa com um mau augúrio sempre presente e que se confirmou ao encontrar a mãe jazendo no leito da morte; do Mestre Escola que o ensinou a ler e escrever; do Padre Bernardino, um galego exilado que naquele lugar do fim do mundo encontrou guarida e deixou um perfume de cultura; da tropa; da guerra civil em Espanha; da fome; das senhas de racionamento; das fugas com os haveres para os bosques longínquos para se furtarem ao controle dos fiscais; da prisão por ousar procurar uma vida melhor em Espanha, ou lá onde quer que fosse; do proibitivo lume que fazia com uma pederneira improvisada para acender o magro cigarro que era mais papel que tabaco; das venturas e desventuras de uma vida cheia de tudo e de nada.

Tinha um lugar de destaque entre os anciãos do lugar e era consultado por causa da partilha das águas, das estremas das propriedades, dos caminhos e servidões, para ler uma carta ou escrever a um familiar algures em França ou no Brasil, para rezar um responso por causa de uma rês que se tresmalhara, para fazer um amuleto que tratava as "bichas" de um pálido bebé que definhava e não se alimentava, para informar as horas que o velho relógio de parede não se cansava de bater...

Era um homem honesto, simples e conformado com o que a vida lhe deu, tão conformado como Jó e, tal como Jó, nunca esmoreceu na fé e agradecia a Deus cada dia de vida, bom ou mau. O seu desprendimento das coisas materiais era total e o pouco que tinha dava sempre para partilhar. Jamais pedinte algum passou pela nossa casa sem que com ele dividisse um naco de pão ou uma simples e magra sopa.

Teve momentos difíceis, alguns de que ouvi falar, outros que constatei, e com ele vivi, e com ele sofri. O irmão, que adoeceu, diziam que enlouqueceu, e morreu ainda jovem preso num quarto, cuja recordação lhe era extremamente dolorosa e de que se recusava falar, o fatídico acidente que o atirou para o catre por muito tempo e marcou fisicamente para o resto da vida, mais uma vez acamou por vários anos. Muitas vezes se disse que estava "arrumado", mas a sua fibra impediu-o de ceder e outras tantas vezes se levantou.

Só um estúpido enfarte de miocárdio o vergou, sem apelo nem agravo. Foi numa manhã de Outubro, já me esqueci do ano, bem no Outono da vida e da dita estação, tranquilamente, como quem se despede por um instante, que me deixou numa imensa tristeza, hoje uma terna e eterna saudade, porque ainda tínhamos muito que conversar...

Coimbra, 20 de Outubro 2001

Publicado por Eira-Velha às 23:20
Link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
3 comentários:
De Adriana a 12 de Outubro de 2006 às 16:46
Morreu em 1972. No ano em que nasci...
De Adriana a 12 de Outubro de 2006 às 16:39
Muito bonito. Perdeu-se o que poderia ter sido o primeiro jornalista na família...
Já tentei escrever algo assim sobre o meu pai. Passados 10 anos, ainda não consigo.
Um beijo
De Ivete a 13 de Junho de 2007 às 14:31
A mágoa que sinto, é justamente de saber que havia momentos para viver, assim como nos contas com tanto orgulho, e que estes momentos nos foram negados.Apesar de abandonados por ele, não lhe viramos as costas e o amamos com tudo o que sabíamos.Mas a dor de saber que poderiamos ter vivido melhor o amor, ainda machuca. E machuca muito. Um beijo. E obrigada pelas tuas palavras.Tanto em meu blog, como aqui. Voce me fez chorar nesta manhã...

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Vale do Tua - Uma paisage...

Momentos...

Antes que seja tarde dema...

Cá se vai andando...

Inverno

Fruta da Época

Cidadania

Novas Construções

Fátima - Uma questão de F...

Around the World "Don't W...

Arquivos

Outubro 2011

Julho 2011

Dezembro 2010

Março 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Julho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Outubro 2005

Julho 2005

Maio 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

tags

todas as tags

Laços

blogs SAPO

subscrever feeds